8 de abril de 2008

Lutero e a reforma

O texto a baixo foi baseado na leitura de: HOCH, Lothar Carlos. O lugar da teologia prática como disciplina teológica, in, Teologia prática no contexto da América Latina. São Leopoldo: Sinodal: ASTE, 998, p 21-35.


Como já provado e aceito no meio Teológico, Lutero é um grande exemplo de conduta no que se refere à Reforma e suas conseqüências. Na Europa ocidental, no século dezesseis, Lutero fez uso do palco oportuno e deu início a tão famosa e conhecida reforma, que neste contexto enfatizamos o “braço” por nome Libertação, desta tão espessa “avenida”, Reforma.


Esta grande conquista foi regada de muito esforço, luta e sofrer, como relata Leonardo Boff. Pois Lutero se levanta contra a ideologia de um sistema corrompido e herético, fortemente constituído na época, onde a Igreja era parte integrante dos sistemas econômicos, políticos e exercia grande influência espiritual e usava isso para fixar este sistema.


A Igreja medieval teve sua expressiva contribuição para a sacralização dessa ordem social e assim servia para dar legitimação divina a ela, automaticamente inibindo qualquer questionamento e revolta dos fieis. Neste contexto, ter fé em Deus significava aceitar a ordem estabelecida como divina, bem como submeter-se. Havia uma hierarquia estabelecida, a qual iniciava-se em Deus e descia através de Cristo para o Papa, Bispos e Sacerdotes. Nesta época, havia um verdadeiro poder de dominação, incucado no espírito do povo pela Igreja. Para se entender isso seria necessário lembrar que naquela época o mundo era profundamente religioso, e que desta forma a Igreja estava no seu auge e tinha total controle sobre o povo. Neste contexto é que surge Martinho Lutero, como o grande libertador na Europa no século dezesseis, que se decorreu em um longo processo de libertação.


Martinho Lutero começou a divulgar seus pensamentos referente a verdadeira Teologia(Ortodoxia), depois de anos de frustração, até que encontrou na palavra de Deus algo que não conformava com que tinha ouvido e aprendido; a partir deste Episódio então, entendemos que o processo começou no interior de Lutero até que extravasou para todo o a sociedade feudal. Lutero defendia entre outros, o perdão dos pecados e a oferta graciosa de vida nova concedida pelo Senhor, como resposta de uma confiança e resposta ao ato misericordioso de Deus, sem os aparatos pregados na época. Daí por diante, as pessoas começaram a ter contato com recursos e energias de dentro de si, levando-os a um crescimento pessoal, profissional e outros seguimentos. Que desencadeou um enfraquecimento dos governantes, possibilitando aos cristãos a questionar e criticar com direito de respeito.


O auge da palavra de Lutero foi a proclamação do sacerdócio universal de todos os crentes, onde Lutero abriu a porta para todos sem qualquer discriminação, algo que tomou corpo sólido rapidamente nesta sociedade que neste ponto estava passando por um processo delicado de mutação.


Em suma Lutero deixou bases como: Ênfase na relação direta de Deus com cada pessoa individualmente; Direito e obrigação do crente ouvir a palavra e a voz do consciente conduzida pela emancipação da razão humana; O dever de servir ao seu próximo, para por em prática o amor no mundo; O que causou um impacto até nas leis que eram fragmentadas entre canônicas e civis, unificando o povo em torno do magistrado supremo, enfatizando um chamado para os cargos políticos.


Vemos que esta reforma, e em especial a libertação que ela gerou no seio da sociedade, impactou todos os seguimentos da sociedade e hoje somos resultados dela, como o crescimento intelectual, científico, institucional democrático, industrial e comercial, que tiveram sua oportunidade após a porta aberta por Martinho Lutero.


Que Deus levante no século XXI, homens do calibre de Lutero.

Pb. Ivan Tadeu /Trabalho Acadêmico.

Postar um comentário