8 de abril de 2008

Princípios de "O Monge e o Executivo":Uma História sobre a essência da liderança.


Neste Livro “O Monge e o Executivo” de James C. Hunter, podemos aprender muito com um dos maiores especialistas em liderança dos Estados Unidos, Leonard Hoffman, um famoso empresário que abandonou sua brilhante carreira para se tornar monge em um mosteiro beneditino, onde ele (Leonardo Hoffman) nos fornece uma gama muito grande de conteúdos preciosos no que diz respeito a princípios de liderança.


Hoffman aborda temas que são relevantes para qualquer área da sociedade desde que bem aplicados e desenvolvidos. Neste resumido relatório de leitura estaremos enumerando algumas idéias centrais que julgamos ser de muita valia para os nossos dias, que de uma forma dinâmica são explicitadas tanto pelo personagem principal como confirmados pelos participantes deste grupo de estudo de Hunter, os quais são extraídas desta tão importante obra, que deve receber nossa atenção e reflexão se quisermos obter uma visão holística e proativa na administração das diversas áreas de nossas vidas.

Destacamos 5 idéias relevantes do texto


1- A importância da unidade entre Tarefa e Relacionamento.
Desde tempos atrás, as empresas e lideres visavam as Tarefas com o objetivo de satisfazer as estatísticas pré-estipuladas pela diretoria. Todavia, foi se chegando à conclusão que com o passar do tempo as pessoas iam se desgastando e a produtividade ia caindo. Então hoje, é sabido que só há condições de manter o nível de produtividade, ou seja, Tarefa, se o nível de relacionamento também estiver compatível. Quando o líder desenvolve um bom nível de relacionamento com os liderados eles se sentem motivados e entusiasmados a caminhar pela mesma visão, com isso os objetivos tornam-se compartilhados e automaticamente alcançados por todos. E este princípio tão importante é abordado por Hoffman, de uma forma muito claro e objetiva.
Podemos denominar este principio cristão, haja vista, Cristo ter desenvolvido-o com seus discípulos.


2- E diferença entre Poder e Autoridade.
Todas as pessoas podem exercer poder sobre as outras. Mas nem todas conseguem conquistar autoridade sobre outras. O método de coerção foi muito difundido com o passar dos Séculos, principalmente disseminado pelos comportamentos ditatórios dos militares e outros. Mas percebemos que os tempos mudaram e isso não é mais possível se quisermos manter nossos cargos de liderança. Cristo nos ensina a diferença de poder e autoridade. Ele nos fornece por meio de sua vivência, que não é impondo que se consegue sucesso, mas com influência e exemplo prático. Vemos que o método usado por Jesus é aprovado até hoje, mesmo depois de tantas centenas de anos. Pois entendemos que o poder tem um período de sustentabilidade muito pequeno em comparação a autoridade. Quem rege pelo poder, logo ficará sozinho, mas quem influencia pela autoridade, dificilmente encontrar-se-á com o fracasso na sua liderança. Jesus quando falava, era reconhecido como alguém que possuíam autoridade e não poder. Está metodologia é explicada longamente pelo grande Hoffman nesta literatura, e seus caros alunos são obrigados a concordar com ele e até chegam a citar outros grandes homens e mulheres da história da humanidade que influenciaram pela autoridade, como: Ghand, King e Madre Tereza de Calcutá.


3- A Essência da liderança é servir.
Todos nós estamos cansados de palavras. Precisamos mais do que nunca de pessoas que sejam exemplos na sua vivência diária. Quem já não passou uns instantes, buscando alguém para se espelhar? Que digam verdades pelas suas atitudes e não as negue pelas suas palavras? Jesus foi um grande orador, porém, mas que isso, um grande ensinador pelos seus próprios atos de serviço. Em sua resposta de quem seria maior no reino do céu, percebemos que sua articulação é totalmente diferente do que ouvimos hoje. Ele diz: o maior é aquele que mais serve. Ele veio para servir, e serviu. E os lideres que quiserem ser servidos ficaram sozinhos, não somente lideres, mas quaisquer pessoas que usarem este princípio deturpado, estão fadados a tornarem-se “ilhas isoladas”, na imensidão do “oceano” mundo. E Hoffman desenvolve muito bem este conteúdo. E buscando ensinar que o exemplo pessoal vale mais que mil palavras, e o grupo mesmo um tanto resistente começa a entender a relevância desta teoria em ação.


4- Amor é Comportamento e não Sentimento.
Normalmente associamos amor ao sentimento. Mas quando paramos para estudar os ensinamentos de Jesus, e o contexto da palavra amor na Bíblia, não encontramos em nenhuma ocasião Deus se referindo simplesmente sobre sentimento quando fala sobre amor. Pelo contrario, independente do que sentimos, Jesus nos ordena que amemos até nossos próprios inimigos. O que isso quer dizer? Quer dizer que mesmo que meus sentimentos sejam contra uma pessoa, eu posso escolher ter um comportamentos de bondade para com ela. Não posso evitar os sentimento, mas posso evitar que eles rejam minha vida me levando a cometer más atitudes, que poderei me arrepender mais tarde. Além de deixar de cumprir o mandamento do Senhor. E é isso que Leonard Hoffman explica neste contexto. Que podemos e devemos ter comportamentos de amor, para com as pessoas, se queremos ser lideres de sucesso.




5- A importância do esforço consciente e disciplinado para Ouvir.
Devemos desenvolver uma atitude de estar não somente com o corpo presente diante das pessoas, mas na nossa integralidade, que significa Bio-psíco-socio-espiritual. Um verdadeiro líder não tem condições de desenvolver uma verdadeira liderança se não ouvir seus liderados, haja vista que, precisa saber suas legitimas necessidades para tentar supri-las com o objetivo de motivá-los para o bom desenvolvimento das tarefas. Ou seja, pessoas felizes em seus relacionamentos tendem progredir nas suas atividades em geral. Este princípio tem sido um dos grandes desafios para todos nós hoje, em meio a tanta poluição sonora, múltiplas coisas a fazer, agendas cheias etc, investir tempo em fazer algo tão simples, mas importante, que é ouvir as pessoas.
Muitos dariam tudo que possuem, por um ouvido amigo.


Conclusão do Livro.

O livro vem atender boa parte de nossas problemáticas atuais. James C. Hunter, aborda de forma clara pontos importantíssimos que se colocados em prática trarão mudanças expressivas em nossas vidas pessoais e lideranças profissionais.
No momento da leitura deste livro, é possível identificar tendências que precisam ser mudadas e outras aperfeiçoadas para que possamos viver e servir melhor ao ministério que o Senhor Jesus vem nos concedendo.
Porém, podemos disser que este livro é mais que um manual de liderança, é mais que uma cartilha de métodos ou princípios eficazes para lideres, mas sem sombra de dúvidas, é uma pérola que foi lapidada e chegou as nossas mãos. Ler esta obra, trás profunda reflexão e confronto com nossa realidade, nos faz parar, rever, avaliar, projetar, sonhar com possibilidades de sermos melhores para nós mesmos e para as pessoas que estão ao nosso redor.
Mas talvez brote a pergunta, por que este livro trás tantas riquezas? A resposta é fácil. Por que se baseia nos ensinamentos de um homem que pisou este solo a milhares de anos atrás, mas, suas palavras ecoam ainda em nossos corações como se tivesse acaba de falar. Seus conceitos ditos no passado, nunca deixaram de ser mais atuais que o próprio presente. Seu modo de ser não poderá se enquadrar como antiquados e arcaicos, porque possuem a chave do atemporal. E nenhum outro poderia se comparar a Ele, Jesus Cristo.

Conceitos não mudam uma vida, mas a prática deles sim. Vivamos como Jesus viveu!
Pb. Ivan Tadeu
Postar um comentário