16 de março de 2009

Desabafo contra o cativeiro da beleza



“Vosso corpo é o templo do espírito santo que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?”. (1 Co. 6.19)

Vorazmente a mídia vem disseminando na sociedade tendências de moda e comportamento, tendências muitas vezes deturpadas e que podem ser nocivas para quem às seguem, por exemplo, a ditadura da beleza, a mulher tem que ser magra, alta, loira e ter olhos azuis. Como alcançar esses padrões se as brasileiras têm um estereotipo diferente deste? Haveremos de transformar-nos em outras pessoas? Refazermos-nos em mesas de cirurgias plásticas? Devemos nascer de novo?

Como podemos hipocritamente falar de distúrbios alimentares e seus perigos, se quando vemos alguém acima do peso somos os primeiros a rechaçar esta pessoa? Algo está fora de ordem... Será que perdemos nossos valores e responsabilidade ludibriados pelo que vemos refletido no espelho?

A busca desenfreada pela beleza a qualquer custo está causando danos a muitas mulheres em diversas faixas etárias. Vemos adolescentes de 12, 13 anos, fazendo dietas absurdas, prejudicando seus corpos e adquirindo problemas de saúde. Mulheres recorrendo cada vez mais a cirurgias plásticas, clínicas de estética, um botox aqui, um silicone lá, viram “ratas de academia”... E tudo está normal? Normal? Para que padrão? Estamos vivendo em tempos onde a embalagem é demasiadamente mais importante do que o conteúdo, as pessoas (digo homens também – os conhecidos “metrosexuais”) estão perdendo suas identidades pelo culto à beleza.

Sou partidária do zelo ao corpo: “Vosso corpo é o templo do espírito santo que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?” (1 Co. 6.19), portanto devemos zelar por ele, alimentar-nos de forma saudável, fazer exercícios regularmente visando à saúde e uma boa estrutura para os impactos da idade, porém tudo com ordem e decência. Intervenções cirúrgicas corretivas / reparadoras (orelha de abano, nariz muito grande etc. que muitas vezes causam a pessoa baixa auto-estima), Cultuar o próprio corpo, usá-lo de forma sensual e descaracterizar-se, tudo por pura vaidade é algo que por certo o Senhor não se agrada.




Por: Alessandra Radke de Carvalho Panicio





Postar um comentário