27 de novembro de 2009

Graça, a perfeita combinação...

O Novo Testamento descreve que Jesus curava os acometidos de várias enfermidades (Mt. 4.24; Mc. 1.34; Lc. 4.40). As Epístolas Pastorais falam de mulheres tolas, conduzidas de várias paixões (2 Tm. 3.16); e de toda sorte de paixões e prazeres característicos da vida pagã (Tt. 3.3).



O escritor aos Hebreus fala de vários milagres de Deus (Hb. 2.4) e de doutrinas várias e estranhas (Hb. 13.9), Tiago fala em várias provações (Tg. 1.2) e Pedro diz o mesmo ( Pe. 1.6).


É muito interessante verificarmos, a profundidade que esse termo vário (s) aplicado no Novo Testamento transmite na sua plenitude, ele pode passar desapercebido em uma leitura dinâmica, mesmo porque a grosso modo, só caracteriza uma diversidade. O termo grego utilizado para está palavra é “POIKILOS” e entre alguns significados que o termo apresenta, um deles é “MULTICOR”. E este significado toma proporções grandiosas quando o apóstolo Pedro o aplica em relação á Graça dizendo: “Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus” (1 Pe.4.10, ARA).

Multiforme é uma palavra derivada de multicor, que nos lembra várias cores. O que é maravilhoso nisso tudo é que, dizer que a graça de Deus é multicor ou poikilos é afirmar que não existe nenhuma cor na situação humana para qual a GRAÇA DE DEUS NÃO POSSA OFERECER UMA COMBINAÇÃO.

Não importa se o homem está vivendo no ouro dos raios solares da alegria e do sucesso, ou no preto sombrio da tristeza e da dor, ou em dias nublados cinzentos sem esperança do raiar da luz, EXISTE NA GRAÇA DE DEUS A PERFEITA COMBINAÇÃO.

O apóstolo Paulo já dizia: A onde abundou o pecado Superabundou á Graça... Deus é suficiente para todas as coisas. Assim como Cristo veio nos revelar a “Maravilhosa Graça de Deus”, nós os cristãos, devemos ser canal da revelação da Graça Divina que a humanidade precisa.



Referencia

BARCLAY, W. Palavras Chaves do Novo Testamento. 1ª ed, São Paulo, ed. Vida Nova, 1985.


Autoria: Colunista - Pb. Alexsandro V. do Prado Cunha
Postar um comentário