14 de abril de 2011

Precisamos de tempo aos pés do Senhor

Por Luciano Subira
Muitas vezes estamos tentando agradar a Deus com nosso trabalho, mas o mais importante para Ele é quando nos assentamos aos seus pés. Nosso serviço é importante, mas estar com o Senhor, gastar tempo em sua presença é muito mais. Além de que, depois de um tempo de comunhão o serviço se torna mais eficaz.
Observe um episódio que Deus fez questão que fosse registrado para nosso ensino:
"Ora, quando iam de caminho, entrou Jesus numa aldeia; e certa mulher, por nome Marta, o recebeu em sua casa.  Tinha esta uma irmã chamada Maria, a qual, sentando-se aos pés do Senhor, ouvia a sua palavra. Marta, porém, andava preocupada com muito serviço; e aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá que minha irmã me tenha deixado servir sozinha? Dize-lhe, pois, que me ajude. Respondeu-lhe o Senhor: Marta, Marta, estás ansiosa e perturbada com muitas coisas; entretanto poucas são necessárias, ou mesmo uma só; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada." Lucas 11:38-42.42

 Enquanto Marta corria, Maria estava aos pés do Senhor. Todos conhecemos a história, mas fazemos questão de permitir que ela continue se repetindo... Muitos de nós só conseguimos pensar nos compromissos diários, na agenda cheia, em como fazer tudo, etc.

Preocupamo-nos com coisas que não mereciam tanta atenção. Deixamos que o "urgente" tome o lugar do "importante". Sei muito bem do que estou falando não só pelo convívio com outras pessoas, mas por mim mesmo. Por natureza sou alguém agitado, que não gosta de ficar parado. Se deixar, não paro um instante, sou como Marta.

Mas tenho aprendido que na vida com Deus, as coisas são diferentes. Aprendi desde o início da minha caminhada que a chave de tudo é o tempo investido em relacionamento com o Pai. E apesar, de por temperamento ser uma pessoa mais parecida com Marta, por princípio bíblico tenho forçado meu comportamento a se ajustar ao de Maria.

Às vezes tenho as minhas recaídas, mas luto comigo mesmo, pois quero o melhor de Deus! Ninguém tem o direito de se desculpar dizendo: - "Este é o meu jeito de ser"! Se Deus nos fizesse de modo diferente uns dos outros no que diz respeito a buscá-lo, estaria sendo injusto conosco; estaria dando a um condições de agradá-lo e a outro não.

Mas isto não é mera questão de temperamento, e sim de comportamento. Precisamos aprender as prioridades corretas para crescer espiritualmente. Falta de tempo com Deus é o maior obstáculo ao crescimento do crente. Costumamos permanecer tão cegos em nosso comportamento errado que às vezes tentamos até convencer Deus de que estamos certos. Marta foi pedir a Jesus que fizesse Maria se levantar e ajudar, e estava certa de que Jesus agiria de forma justa, mas não esperava que naquela situação a errada fosse ela. nTentou convencer até o próprio Jesus da importância de sua "correria". De modo semelhante, muitas vezes estamos errados e tentando convencer-nos (e aos outros) do contrário.


Contudo, as palavras de Jesus são muito fortes, contundentes: "...poucas coisas são necessárias, ou mesmo uma só..." O que Ele estava dizendo a Marta? Que de toda a nossa correria, poucas coisas são realmente uma necessidade. Muito do que julgamos ser necessário, na verdade não é.

Por exemplo, observe nosso consumismo e veja como criamos necessidades: quem não tem uma TV "precisa" de uma; quem tem uma TV de 14 polegadas, "precisa" de uma de 20; quem já tem uma de 20 polegadas, "precisa" de uma de 29, e a coisa nunca para! Quem não possui um telefone celular "precisa" de um, mas depois que já o tem, "precisa" trocá-lo por um modelo menor e melhor, e o ciclo nunca pára!

Fazemos o mesmo na administração de nossa agenda diária; assimilamos muita coisa que poderia esperar como se o mundo fosse acabar em dois dias. E o resultado não é só estresse, mas falta de poder espiritual. A presença de Deus é um refrigério, e devemos cultivá-la com dedicação.

 O Senhor Jesus declarou: "poucas coisas são necessárias, ou mesmo uma só". Penso que com esta frase Ele na verdade estava dizendo: - "Pode enxugar sua agenda que a maioria de seus compromissos não são assim tão importantes. E se tiver que escolher uma única coisa para fazer, fique em minha presença". Não estou dizendo que ninguém deva parar de trabalhar, estou falando principalmente de coisas que não precisam necessariamente acontecer naquele momento. Por exemplo, muitos de nós "precisamos" assistir ao noticiário todos os dias. Será que precisamos mesmo? Muitos de nós "precisamos" nos divertir com um bom filme. Mas será que não dá para dar um intervalo maior de dias entre um entretenimento e outro?

Você pode se questionar sobre muita coisa que faz, mas o fato é que se você tivesse que fazer restar uma única atividade em seu dia, por ser a mais importante, ou a única que verdadeiramente possa ser chamada de necessidade, deveria ser a de estar aos pés do Senhor.

O evangelista Moody, defensor deste tipo de pensamento (como todo homem que Deus já pôde usar de modo especial), declarou o seguinte: "Um dos mais claros sinais dos tempos é que muitos cristãos, em nossas associações de moços e igrejas, estão guardando diariamente a 'hora tranqüila'. Nesta era de correria e incessantes atividades, precisamos de algum chamado especial para nos retirarmos e nos colocarmos a sós com Deus por um tempo, todos os dias. Qualquer homem ou mulher que assim proceder, não conseguirá passar mais que vinte e quatro horas longe de Deus".

Moody chamava o momento devocional de "a hora tranqüila". Mesmo que nossa vida se resuma em muita correria, deve haver um momento quando consigamos desacelerar para estar a sós com Deus.
Postar um comentário