13 de julho de 2011

MERITOCRACIA – Dai a César o que é de César e ao Ronaldinho o que é de Ronaldinho???

Jesus deixou uma ordem muito clara em marcos 12.17, usando dois exemplos, o de César e o de Deus, para exemplificar que devemos dar as pessoas aquilo que lhes é devido. A Palavra de Deus acrescenta ainda em Rm 13.8, que não devermos dever nada a ninguém, a não ser o amor. O cristão deve ser integro, grato e reconhecer o mérito das pessoas que legitimamente merecem boas retribuições, foi o que nos ensinou Jesus. Mas um fato nos assusta, ou pelo menos nos surpreende, o que descrevo a seguir.
Como é de conhecimento de muitos, a Academia Brasileira de Letras, na pessoa de seu presidente (Marcos Vilaça), colocou Ronaldinho Gaúcho na galeria da imortalidade, ofertando-lhe a Medalha Machado de Assis, alta condecoração da Academia Brasileira de Letras para personalidades que honrosamente estão deixando grande legado cultural para a sociedade.


Durante o almoço realizado entre as parte com o objetivo de oficializar a homenagem, perguntaram a Ronaldinho: Qual o último livro que você leu? – Ele como bom jogador de futebol, driblou, driblou, e saiu pela tangente, afirmando que leu tantos que não poderia citar nomes. Brincadeira? Não! Sonho? Não! Miragem? Não! Ignorância da Academia Brasileira de Letras? Talvez!  Alguém me responda, onde vamos parar?

Que país é este? Que Academia é esta? Que homenagem é esta? Que legado cultural Ronaldinho está nos deixando? – Milhares de pessoas passam anos estudando numa carteira de escola, outro tanto nas carteiras de faculdade, outro tanto produzindo intelectualmente e culturalmente de forma anônima, sem reconhecimento, sem valorização, sem méritos e sem condecoração, investindo altas quantias financeiras sem auxilio algum, e uma personalidade esportiva que destoa totalmente do foco, com baixo nível cultural, sem produção intelectual, recebe tal honra?! Algo está errado! Mais uma vez, alguém me responda, onde vamos parar?
Retornamos ao contexto bíblico, devemos dar as pessoas o que elas merecem por direito, não por bajulações, não com segundas intenções, não por interesses próprios. Qual a intenção da ABL? Quem está por trás deste ato? O que a sociedade ganhará com isso? Acredito que estamos em conflito de papeis em nossa sociedade? Estamos regredindo com este ato. Estamos assinando nosso atestado de pobreza intelectual, estamos nos suicidando intelectualmente e temo que o próximo atestado seja o de óbito...
Postar um comentário